+ 55 48 3223 1232

O ronco acontece quando as estruturas e músculos da região da garganta relaxam muito durante o sono, fechando excessivamente o espaço para a passagem do ar. Estas estruturas  vibram quando o ar passa com esforço por elas, produzindo o som do ronco. O ronco pode ser um sinal de que algo está errado com sua respiração durante o sono.

O QUE É APNEIA?

Síndrome da Apeia Obstrutiva do Sono (SAOS), é uma doença crônica, evolutiva, caracterizado pela obstrução  das vias aéreas, causando paradas repetidas e temporárias da respiração enquanto a pessoa dorme. A respiração cessa porque as vias aéreas colapsam, impedindo que o ar chegue até os pulmões, apesar da manutenção do esforço inspiratório.

A fim de evitar a morte por asfixia, o organismo envia um “sinal” ao cérebro despertando-o por tempo suficiente para conseguir desobstruir a garganta. Ou seja, ocorre um micro despertar que o indivíduo não percebe e nem lembra. Esse fenômeno pode repetir-se até 1000 vezes em cada noite de sono nos casos mais graves

Devido ao grande número desses micro despertares, o sono torna-se fragmentado, diminuindo o sono profundo e o sono REM. O sono profundo é fundamental para a recuperação do corpo, e a fase REM (Rapid Eye Movement) é importante para a consolidação do aprendizado e da memória. Assim, a apneia do sono é uma das causas mais comuns de fadiga, sonolência e dificuldades de aprendizado e memória, entre outros sintomas.

POR QUE OCORRE A APNEIA?

A apneia pode ocorrer por vários fatores: os músculos da garganta e língua relaxam mais do que o normal; as amígdalas e adenoides são grandes; a pessoa está acima do peso (o excesso de tecido mole na garganta dificulta mantê-la aberta), ou o formato das arcadas dentárias  e pescoço resulta em menor espaço para passagem de ar na boca e garganta.

TODOS QUE RONCAM TEM APNEIA?

Nem todo mundo que ronca tem apneia do sono; ele é apenas um dos sintomas da doença.

QUAIS OS SINAIS E SINTOMAS DA APNEIA?

O portador de apneia pode  apresentar  sonolência diurna, e com isso maior risco de acidentes de trânsito e de trabalho; boca seca ou dor de garganta pela manhã; cefaleia matinal, deficiências cognitivas, como falta de concentração, atenção e memória; alterações de humor, como irritabilidade, depressão, ansiedade; impotência sexual; aumento do risco de hipertensão, insuficiência e arritmia cardíacas, derrame e diabetes. Portanto, é importantíssimo o tratamento desta doença.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO?

No primeiro momento, o médico examinará a boca, nariz,

faringe, língua, mandíbula, pescoço e arcabouço ósseo da face em busca de alterações que estejam relacionadas ao ronco e/ou apneia e então solicitará  um exame chamado de polissonografia, que é o monitoramento do sono por equipamentos eletrônicos.

COMO TRATAR O RONCO E APNEIA?

Em geral, o tratamento envolve a adoção de medidas clínicas, aliadas ao uso de dispositivos ou aparelhos que visam facilitar o fluxo do ar pela via aérea como os aparelhos intra orais, ou aparelhos de pressão positiva para via aérea superior (CPAP e BIPAP) ou cirurgias.

O APARELHO INTRA ORAL

Estes aparelhos são usados apenas durante o sono; são construídos de modo a posicionar a mandíbula mais para a frente, mantendo-a firme nessa posição,  fazendo com que toda a musculatura orofaríngea se reposicione também e assim desobstrua as vias aéreas, evitando o ronco e a apneia.

Os aparelhos intra orais  estão indicados para pacientes com ronco primário  (sem apneia) e para casos de apneia leve e moderada; são de fácil adaptação e têm sido a alternativa menos invasiva no tratamento do ronco e apneia.

Para confeccioná-los você pode marcar uma consulta com Adriane Sponchiado através de nossos contatos:

ATENDIMENTO CENTRO

Rua Felipe Schmidt, 649 – Sala 404 – Centro Executivo Torre da Colina

(48) 32231232 /99926-0855

ATENDIMENTO LAGOA DA CONCEIÇÃO

Shopping Via Lagoa – Sala 201

(48)3232-8330 / 99111-7900